CÂNTICOS DE CONTAR CONTOS: revisitação à Ancestralidade Afro-Sergipana

Mestre Severo D'Acelino (2019)

Prefácio: Prof. Dr. Petrônio Dominguês (Universidade Federal de Sergipe)

 

"O narrador de Cânticos maneja o fluxo de sua verve literária de maneira pulsante. Ele se inscreve desde as primeiras linhas da história do Brasil, com destaque para Sergipe, reportando-se aos costumes em comum e às tradições culturais da população afrodescentes, especialmente evocando o protagonismo de escravizados, de libertos, de mulheres e homens negros, de sacerdotes e sacerdotisas das religiões de matriz africana, de divindades do pateão iorubá, sem contudo deixar de fazer menção aos repertórios simbólicos, identitários e culturais da rede do Atlântico Negro.(...)

Nomeadamente, histórias de quilombolas e libertos, como o legendário João Mulungu e Quintino de Lacerda; de africanos, como o lendário herculano, de mulheres negras guerreiras como Conceição e Maria Zenão; de antigas casas e lideranças dos cultos Afro-brasileiros, como Alexandre e o terreiro Santa Bárbara Virgem, na cidade de Laranjeiras; de matriarcas do "sagrado", como as mães de santo Zabé Gorda, Maria Bata Curta, Maria José das Areias e Maria Pelage; de manifestações da cultura popular "negra", como a dança de São Gonçalo e Taieiras; de poetas do povo, como João Sapateiro, de Xangô e outros orixás, ritos e símbolos da mitologia iorubá, de lanceiros negros são alguns dos temas que compõem os enredos dos contos."

Cânticos de Contar Contos (impresso)

R$ 50,00Preço
    ANCESTRE.png